BRAVA GENTE BRASILEIRA… – PARTE 3

- Nesta terceira parte da série "Brava Gente Brasileira...", temos o relato da Técnica em Enfermagem Hilda Cardoso, que está na linha de frente do combate ao COVID-19.

Hilda Cardoso - Técnica em Enfermagem.

Entramos no mês de abril e, com ele, mais incertezas vieram. O número de infectados pelo Coronavírus aumentará muito? Ficamos isolados? Voltamos ao trabalho? Nos protegemos a qualquer custo? Buscamos prover nosso sustento? Usamos máscaras? Entre tantas outras perguntas que nos fazemos diariamente.

Uma única certeza persiste: há pessoas que estão aí, perto de nós, com as mesmas dúvidas e medos, mas que estão lutando para o bem maior!
Segue o relato da “Brava Gente Brasileira… # 03”, de mais uma profissional que está na linha de frente, na luta contra a COVID-19:

“Para ser sincera, acho que nunca tinha parado para pensar sobre como me sinto neste momento difícil. Hoje comecei a rever alguns momentos da minha vida.

Quando fiz o curso para ser uma profissional da saúde, meu objetivo era cuidar de pessoas, promover o conforto, tratar e acalentar a dor. Muitas vezes as pessoas precisam de uma palavra, um afago e de um remédio. E eu poderia estar com essas pessoas em qualquer situação.

Durante essa pandemia, me peguei com vários sentimentos: preocupada, afinal eu estou dentro do hospital, para onde os doentes irão. Sou mãe, tenho filho, família e a maior preocupação é com eles. Tomo todos os cuidados necessários, mas sei que estou trabalhando num local mais propício à contaminação. Meu filho é adulto, mas já faz um bom tempo que não tenho coragem de dar-lhe um beijo quando chego em casa, porque tenho medo.

Não tenho medo da doença, em si. Tenho prudência. Tenho medo de contaminar minha família. Ultimamente me sinto, também, triste com algumas situações. Enquanto muitos aplaudem os profissionais da saúde, outros nos olham com medo, pois acreditam que vamos levar o vírus para as pessoas que se aproximam.

Não quero ser heroína nem protagonista de nenhuma história. Quero realizar meu trabalho. Foi o que escolhi fazer. Quero prestar minha assistência e quero que meu paciente saia andando, bem e recuperado para casa. Mas infelizmente nem sempre é assim.

Estamos sendo treinados e preparados para receber os pacientes e fazer o melhor por todos que passarem por nós. Vamos enfrentar tudo o que vier com força, garra e tudo dará certo. Nossos medos, nossos anseios ficam para depois. Nesse momento é hora de arregaçar as mangas e ir à luta pelas pessoas que precisam. É também a hora de reforçarmos nossa convicção que trabalhamos por amor às pessoas.

O trabalho já aumentou, as folgas são reduzidas e sempre precisamos de mais pessoas para auxiliar nos turnos de trabalho. Penso, no geral, de forma bem objetivo. Todos nós, da área da saúde, fizemos um juramento! Um juramento consciente, de escolha, para enfrentar essas batalhas. Vejo-me, nesse momento, como uma profissional executando seu trabalho. Percebo o mesmo tipo de pensamento das pessoas que trabalham comigo. Nós escolhemos o cuidar, o estar ao lado. E faremos isso por todos que precisarem de nós!”

Hilda Cardoso, Técnica em Enfermagem, mãe, filha, tia, irmã: como todos nós.